Entrevista com a DJ Carlitha |

Entrevista com a DJ Carlitha

dj Carlitha

 

 

 

 

 

 

 

por Pretinha Carvalho
Uma das muitas mulheres que estão aparecendo na cena do hiphop do Rio de Janeiro, em uma área onde realmente predomina o sexo masculino, vamos conferir o que pensa a nossa linda dj. Tocando em várias festas da cidade e já começando a se destacar no nosso cenário.

FHH – Poucas mulheres se aventuram a se tornar DJ no Brasil? Em que, ou em quem você se inspirou?
R: A principio fui mais pq adoro musica e o stilo hip hop, amo, adoro dançar e tudo mais, fui fazer o curso mais como um hobby mesmo, e acabei tocando na festa de um amigo, ele q me incentivou muito pra fazer o curso e tal, não necessariamante tive uma inspiração, acho q foi mais pelo fato de gostar muito de musica, ser uma amante incondicional.

FHH – Onde foi a primeira vez em que você tocou com DJ profissional?
R: Na festa Hip Hop Revolution na festa tem um palco principal e tocam os DJs mais conhecidos e tal, e eu toquei no palco alternativo q toca mais Hip Hop Underground, sendo um stylo dentro do Hip Hop q curto bastante, em 2007.

FHH – Hip- Hop sempre foi tido como um ritmo feito para a periferia, para os “favelados” e nunca para mulheres. Você sofreu algum tipo de preconceito por ser tornar DJ? Conta-me como foi e se também sofre esse tipo de preconceito por parte dos homens.
R: O Hip Hop é um ritmo da periferia, assim como o Funk, e as mulheres tb curtem so q no Hip Hop existem vários stylos tem o mais dançante e o mais parado, tem pra todos os gostos, eu gosto de tudo um pouco, so q como já disse curto bastante o Underground q poucas meninas custem, mas tem sempre auma pra se juntar a mim, rs… Acho q não teve preconceito não, não sei se foi pq eu já conhecia os outros DJs e tudo mais, pois eu sempre andava com eles, rolou ate um apoio, me passavam o nome de certas musicas q eu não tinha e tudo mais. Acho q seu eu atuasse mais e conseguisse um espaço maior e tudo ai sim eles não iriam gostar muito, mas acho q seria mais em relação ao espaço q pro Hip Hop tem pouco.

FHH – Qual o maior desafio de ser uma DJ no universo onde o sexo masculino predomina?
R: Que as pessoas acreditem q seu trabalho é bom e q vc ta ali pra levar isso a serio, como os homens, pois como já disse tem espaço pra todos, o problema é q eles vão sempre pensar q vc pegou uma oportunidade q seria deles, mas não é. E estar sempre se atualizando antenada nas coisas q estão acontecendo no seu estilo musical.

FHH – O que o Hip Hop significa em sua vida? E o que você espera do futuro?
R: Tudo de bom, acho q a maioria dos bons momentos q tenho em minha vida lembro de uma musica e é claro é um Hip Hop um R&B q tocava no momento e na época. Acho q daqui pra frente é muita coisa boa, pq tem muitas musicas e chegamos ate elas com mais facilidade e temos obrigação como DJs de difundir a boa musica.

FHH – Você sente falta de rivalizar com outras mulheres? No bom sentido claro, mas ter outras companheiras neste mesmo trabalho?
R: Não, pelo contrario acho muito bom quanto tem outras mulheres atuando como DJs ate pq pros homens verem q não somos ruins e é claro q podemos fazer o mesmo q eles, e não so no Hip Hop mas nos outrso estilos de musica Tb acho muito bom, mas pq acho q tem espaço pra todo mundo. Tem algumas, qnd fiz o curso fiquei boba de terem outras meninas interessadas e muito bom é ate um incentivo a mais.

FHH – Futuro. Você acredita que o mercado esta apto a receber outras mulheres nesta mesma profissão?
R: Acho sim, e tem gente boa abrindo o espaço, algumas sentem vergonha e tal, mas acho q é normal, temos q meter a cara mesmo.

FHH – O que você espera no futuro como DJ?
R: Espero estar sempre antenada tocando o q o povo gosta, de fazer a pista ferver isso q é bom, o legal de tudo é se divertir junto curtir o momento q é muito bom e único, e q as musicas boas continuem sendo produzidas e tocadas.

FHH – Quais as maiores dificuldades do Hip Hop Nacional?
R: De fazer musicas conscientes e dançantes, pois uma vez conversando com um amigo meu DJ entramos num acordo, o povo brasileiro gosta de danças de musicas swingadas, por isso q as musicas q tem uma uma boa base (batida), são as q as pessoas mais gostam, ninguém gosta de ficar parado so ouvindo e sendo consciente, pois as letras do Rap, Hip Hop Nacional são muito boas, ultimamente elas estão sendo bem mais produzidas e estão ficando muito boas, a altura de uma gringa, mas temos muito o q evoluir, pois ate lá fora elas evoluíram e hj são o q são é coisa do tempo, amadurecendo as coisa se arrumam. Mas ta muito bom.

FHH -me diga como vc conheceu o mundo hip hop?
R: Caramba! como começar, acho q ta na veia, rs…. ouço Black Music desde q nasci. Em casa sempre ouvi muito samba, coisa de preto e tal, minha Irma sempre curtiu Charm , sou a mais nova de 3 então tenho elas como exemplo, sempre ouvindo esse ritmo em casa, tenho um primo q era DJ e curtia o mesmo ritmo q minha irmã, comecei a ter contato com o Hip Hop nacional e tudo mais através dele, numas festinhas q rolavam na CDD (Cidade de Deus – Jacarepaguá), daí sempre tive muito contato com a musica, como muitas das vezes eu era mais nova e não podia sair, curtia em casa, via clips e tudo mais, e assim q pude comecei a ir pro Disco Voador de Marechal Hermes, Tem Tudo,Feijão e Cia, Viaduto de Madureira e por ai foi e to nessa ate hj e isso já faz uns 10 anos mais atuantes indo ate a musica, o tempo, rs….

3 Respostas to “Entrevista com a DJ Carlitha”

  1. GarykPatton Says:

    Hi. I like the way you write. Will you post some more articles?

  2. ginaldo santos Says:

    olá dj carlitha t legal.poxa amiga se vc tiver orkut e msn me add aí pq eu queria levar um lero com vc vlw.sou dj de hip hop de uma rádio comunitária na vila kennedy e gostaria muito de manter contato com vc por se tratar de uma dj e ser do meu ramoo tb.agradeço desde já .abraços amiga e te aguardo .

  3. Inchirieri Apartamente Bucuresti Says:

    I used to live in Ohio and absolutely enjoyed every minute of it. Look at the blog spot in the New York Times and read up on the subject.

Deixe um comentário: